assinar: Posts | Podcast

Top Gear: 25 anos

0 comentários
Top Gear: 25 anos

É capaz dos losers mais juvenis não conhecerem ou somente não imaginar o tamanho do sucesso que esse jogo de corrida fez durante a geração dos games de 16bits. Top Gear completa hoje 25 anos de lançamento reunindo uma série de histórias e curiosidades. Confira aqui algumas delas:

A Origem

Top Gear foi o primeiro game de corrida para SNES e seu desenvolvimento levou cerca de 5 meses. E seu design foi colaborativo entre os artistas e a publicadora japonesa Kemco. A equipe não tinha tanta documentação de desenvolvimento do Super Nintendo, e muito foi alcançado através de engenharia reversa. O código fez uso pesado do hardware e requereu um timing cuidadoso, junto com truques para manter o desempenho estável. A otimização de uso de ROM foi uma das partes mais complicadas, porque afetaria o custo de produção do cartucho. Uma correção feita para encapsular as faixas de áudio corretamente acabou não sendo incluída no jogo finalizado.

Diferente do que muita gente pensa, Top Gear não foi inspirado em Rad Racer (NES / Famicom). As principais fontes de inspiração foram Pitstop (Epyx, 1983), Pole Position (Atari, 1982), Outrun (Sega, 1986) e principalmente Lotus Esprit Turbo Challenge (Amiga), com semelhanças notáveis.

A princípio, Top Gear sairia para o NES, mas a Kemco, a pedido da Nintendo, o lançou para o então recém lançado Super Nintendo/Super Famicom em 1992.

Carros inspirados em modelos reais

Em poucos jogos tivemos carros tão marcantes como os do primeiro Top Gear. Já de início, o jogador percebia uma profunda diferença na velocidade e consumo de combustível de cada modelo. O resultado disso era que cada jogador acabava tendo um carro favorito, sempre lembrado pela cor. Só que os carros tinham “nomes” e que eram inspirados em carros reais! Sabia dessa?

O “carro vermelho”  e  o “carro branco” eram inspirados em dois modelos de Ferrari. O vermelho se chamava “Cannibal” e era inspirado na Ferrari 512 TR (Testarossa) e o branco chamava-se “Sidewinder“, e era inspirado na Ferrari 288 GTO. Já o diferentão “carro lilás” foi batizado com o nome de “Razor” e tinha como modelo de inspiração o exótico Jaguar XJR-15. E por último temos o “carro azul”, que se chamava “Weasel e era inspirado no lendário Porsche 959.

A Foto do Menu

A origem da fotografia de fundo do menu inicial, em preto e branco, onde aparece uma pista em forma de U cercada de vários prédios, foi durante muito tempo um dos maiores mistérios do jogo. A imagem aparece antes de o jogador iniciar a corrida, e depois de muito tempo descobriu-se tratar de um local próximo à esquina da Washington Boulevard com a Jefferson Avenue, em Detroit, Michigan. A foto provavelmente foi tirada de cima de um shopping center próximo ao local, e esse era um dos trechos do circuito de rua de Detroit, onde foram realizadas corridas de F1 até o ano de 1988 e palco de duas vitórias de Ayrton Senna, inclusive. Provavelmente a foto deve ser dessa época, pois há a pintura de faixas laterais e há também videos onboards da F1 da época neste circuito que apontam evidencias da passagem por esse trecho.

Quem era esse tal Ritchie?

Para quem tinha dificuldade em chegar em primeiro lugar, em qualquer corrida de qualquer um dos três primeiros jogos de Top Gear, era comum ver o nome Ritchie, como o primeiro colocado. Mas afinal, quem era esse cara?

Ritche, ou Ritchie Brannan, era o programador que liderou o desenvolvimento dos três primeiros jogos de Top Gear. O gosto dele pela velocidade não diminuiu com o tempo. Ritche hoje trabalha na Codemasters, ajudando na criação de jogos do mesmo estilo para as plataformas de console e PC.

Sucesso só no Brasil

Ao pesquisar sobre este jogo em fóruns e comunidades dedicadas a games na web notamos logo de cara a paixão dos gamers brasileiros da velha guarda por Top Gear. Porém, fora do país, o jogo passa despercebido em várias listas de melhores jogos do Super Nintendo. Um exemplo é o livro “1001 videogames para se jogar antes de morrer” onde não há qualquer menção aos jogos da franquia. O próprio Ritchie Brannan em uma entrevista no início de 2016 citou que raramente encontra pessoas que se lembram do jogo fora os  brasileiros.

Trilha sonora virou cult

Um do maiores sucessos da franquia de jogos no Brasil sempre foi a trilha sonora. Uma prova disso é que quando veio ao Brasil para o concerto Video Games Live 2010, o compositor Tommy Tallarico, se mostrou surpreso pela insistência com que os fãs brasileiros pediam músicas de Top Gear. Segundo ele, foram pedidos incessantes pelas músicas, deste jogo em especial, desde a primeira vez que Tommy veio ao Brasil em 2006. Vejam o público insandecido no vídeo abaixo:

Brasileiros Fazendo Brasileirices

E quando algo faz muito sucesso no Brasil o que acontece? Brasileirices!!! Ou então aquilo que os artistas modernos do início do século XX falavam que era a base da cultura brasileira: ANTROPOFAGIA. O Brasileiro devora, processa e dá a luz algo novo. E isso nem sempre resulta em coisas belas. Vejam a maravilha de tecnobrega que a trilha de Top Gear “inspirou”:

*    *    *    *    *

Conhece a nossa página no Facebook?

Já nos segue no Twitter?

Já ouviu nosso Podcast? Para assinar no iTunes, clique no botão Agregue a Loserlândia, no lado direito da página.